logo

FLAGRA NO PAIAGUÁS

Ex-deputado Azambuja faz acordo de R$ 163 mil e se livra de ação de R$ 15 milhões no esquema de “mensalinho” na AL-MT

Na época, além de Azambuja também foram flagrados pegando dinheiro os então deputados Luciane Bezerra, José Domingos Fraga, Airton Português, Ezequiel Fonseca, Emanuel Pinheiro, Alexandre César e a ex-secretária de Estado Vanice Marques.


Por Thaiza Assunção | Mídia News

img

Foto: Reprodução

O ex-deputado estadual Carlos Azambuja se livrou de ressarcir os cofres públicos em R$ 15 milhões em uma ação por improbidade administrativa que ele respondia por participação no esquema de “mensalinho” na Assembleia Legislativa.

 

Isso porque, a Justiça homologou o acordo de não persecução cível entre o ex-deputado e o Ministério Público Estadual (MPE). Pelo acordo, ele se comprometeu em devolver R$ 163,2 mil em 72 parcelas mensais de R$ 2,2 mil em favor do Estado de Mato Grosso.

 

A decisão é assinada pelo juiz Bruno D'Oliveira Marques, da Vara Especializada em Ações Coletivas, e foi publicada nesta quinta-feira (1º).

 

O mensalinho da Assembleia foi revelado em 2017 por conta da delação premiada do ex-governador Silval Barbosa. Azambuja faz parte do vídeo em que diversos parlamentares aparecem recebendo maços de dinheiro no Palácio Paiaguás.

 

Na ação, o MPE acusava o ex-parlamentar de ter recebido propina mensal no total de R$ 4 milhões no período entre junho de 2009 a janeiro de 2015, mesmo quando afastado para exercer o cargo de secretário de Estado de Esportes e Lazer da gestão de Silval.

 

O juiz entendeu que o acordo atuará na rápida concretização do interesse público.

 

Azambuja também se comprometeu a "não utilizar pessoa natural ou pessoa jurídica interposta para ocultar ou dissimular a origem e destinação de bem, direitos e valores, seus reais interesses ou a identidade dos beneficiários de seus atos".

 

“Ante todo o exposto, para que produza seus jurídicos e legais efeitos, homologo por sentença a transação representada pelo acordo, firmado pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, com a concordância do ente público lesado, Estado de Mato Grosso, e o requerido Carlos Antônio Azambuja”, escreveu.

 

“Por conseguinte, julgo extinto o processo, com resolução de mérito, o que faço com fundamento no art. 487, inciso III, alínea “b”, do Código de Processo Civil, c/c art. 17-B da Lei nº 8.429/92”, decidiu.

 

O mensalinho

Segundo contou Silval em delação, ele firmou acordo com parlamentares para manter a governabilidade, ter as contas do governo aprovadas, os interesses do Executivo priorizados na Assembleia e não ter nenhum dos membros do alto escalão investigado em Comissão Parlamentar de Inquérito.

 

Os valores eram pagos a partir de desvio de recursos públicos da própria Assembleia Legislativa, através de contratos firmados com diversas empresas, as quais faziam um “retorno” de 15 a 25% dos valores que lhes eram pagos nos contratos e de 30 a 50% dos valores pagos nos aditivos contratuais.

 

O “retorno” era entregue pelas empresas diretamente a  Silval e ao então deputado estadual José Riva, cabendo a ambos repassarem a propina aos demais deputados.

 

Além de Azambuja também foram flagrados pegando dinheiro os então deputados Luciane Bezerra, José Domingos Fraga, Airton Português, Ezequiel Fonseca, Emanuel Pinheiro, Alexandre César e a ex-secretária de Estado Vanice Marques.

 

Também foram filmados, na mesma sala, Gilmar Fabris e Baiano Filho, porém não há imagens deles pegando dinheiro.

 

Cada um responde a um processo separado pelos fatos.

 

Matéria relacionada: Airton Português e outros oito ex-deputados se tornam réus por receberem ''mensalinho'' de Silval

 

FALE COM O POPULAR ONLINE

Para falar com a redação do Popular Online, mande uma mensagem pelo WhatsApp. Curta o nosso Facebook e siga a gente no Instagram.


R$ 2 MILHÕES

Tribunal de Contas mantém suspensa licitação suspeita de direcionamento em Araputanga

Conforme o TCE-MT, o processo licitatório suspeito refere-se à aplicação de microrrevestimento asfáltico em ruas e avenidas, no montante de R$ 2 milhões.


MATO GROSSO

CDL oferta mais de 900 vagas para curso gratuito de capacitação em empreendedorismo

As inscrições podem ser realizadas por meio do site, onde, também, estão as informações sobre os municípios atendidos, junto com as datas de início de cada turma.


ACIDENTE FATAL

Jovem morador de Lambari D’Oeste morre vítima de atropelamento

Motociclista foi encontrado caído na MT-170, já sem vida.

Ver mais

O que é Urgente, não pode esperar! Entre em nosso grupo do WhatsApp e receba alertas de notícias.